Haikai

1- 

O reflexo da água

reflete a verdade,

que o fundo esconde.

*1

 

2-

As folhas abanam

a ritmos diferentes

que refletem as suas personalidades.

 *2

 

3-

O vento gosta de levar

tudo que volatilmente

se move.

*3


Processed with VSCO with hb2 preset

*1

Processed with VSCO with hb2 preset

*2

11881730_1630088120613141_792715215_n

*3


Todas as imagens que se apresentam deste artigo pertencem a Beatriz Granja.

Anúncios

Retrato de alguém

Olhos castanhos, unhas pequenas,

pestanas longas e sobrancelhas morenas.

Despreocupada com a vida,

de leve esquecida.

 

Quase que apanha as árvores

em bicos de pés.

É tão engraçada,

com a sua bússola afinada,

 

Que quando anda, quase salta

tão empolgada com o que vem a seguir;

Ténis gastos de longas caminhadas que esta percorrera.

 

Não à nada a dizer,

é só Lara, que fala e fala;

de cabelo arranjado

só quando quer.

 

Norman Borlaug

Norman Ernest Borlaug nasceu em 25 de Março de 1914 numa quinta perto de Cresto, Iowa.

Completou o ensino primário e secundário em Cresto e depois de se matricular na Universidade de Minnesota e estudar agronomia, Borlaug recebeu o seu diploma de Bacharel (diploma que era concedido aos estudantes que concluíam com aproveitamento todas as cadeira de uma Universidade) em Ciências em 1937 e trabalhou para o serviço dos EUA no mesmo ano.

Voltando à Universidade de Minnesota para estudar patologia vegetal, ele recebeu o mestrado em 1939 e o doutoramento em 1942.

 

De 1942 a 1944, Borlaug trabalhou como microbiologista na equipa do “Pont de Nemours Foundation ” comandando a investigação de bactericidas industriais e agrícolas, fungicidas e conservantes.

Durante 20 anos trabalhou na descoberta de um trigo de alto rendimento, resistente a doenças que acabou por ser um sucesso.

A fim de alimentar as pessoas com fome do mundo, ele introduziu novas variedades de cereais – e proporcionando assim, com ele diz: “Um sucesso temporário na guerra do homem contra a fome e privação. “.

Estes aumentos na produtividade e produção agrícola de meados do século XX  foram chamados de ” Revolução Verde”. Estima-se que o trabalho de Borlaug tenha salvo da inanição entre 245 milhões e 1 bilião de vidas em todo o mundo. Em reconhecimento à sua contribuição para a paz mundial através do aumento do fornecimento de alimentos, ele foi premiado com o prémio Nobel da Paz em 1970 e em 1986, Borlaug criou o Prémio Mundial da Alimentação, destinado a reconhecer os indivíduos que melhorem a qualidade, a quantidade e a disponibilidade de alimentos em todo o mundo.

Borlaug morreu em 12 de Setembro de 2009 ( com 95 anos) em Dallas.


borlaug

 


Valores que se salientaram na Biografia: 

  • Paz;
  • Inspiração;
  • Dedicação.

Porque escolhi Norman Borlaug?

-Eu escolhi Norman Borlaug porque se não fosse a dedicação dele para com a sua paixão certos alimentos, trigos e cereais não existiriam e por isso ele foi bastante altruísta e inspirador na minha opinião, e eu achei uma enorme inspiração para mim pois se nos dedicarmos a algo que gostamos e persistirmos erguidos perante as dificuldades para além de sermos mais feliz poderemos ajudar outras pessoas.



Bibliografia:



 

Não digas nada! – Fernando Pessoa

Não digas nada!
Nem mesmo a verdade
Há tanta suavidade em nada se dizer
E tudo se entender —
Tudo metade
De sentir e de ver…
Não digas nada
Deixa esquecer

Talvez que amanhã
Em outra paisagem
Digas que foi vã
Toda essa viagem
Até onde quis
Ser quem me agrada…
Mas ali fui feliz
Não digas nada.


Valores presentes neste poema:

  • Felicidade
  • Persistência

Porque escolhi este poema?

– Eu escolhi este poema porque para além de demonstrar que o sujeito poético foi feliz porque fazia o que gostava (felicidade e inspiração para fazer o que gostamos) também me fez recordar do desafio-problema sobre o silêncio.


 

Bibliografia:

http://www.citador.pt/poemas/nao-digas-nada-fernando-pessoa – consultado a 29 de Março de 2016



 

Visita á exposição “De Tempos a Tempos |||”

A meu ver a realização da visita de estudo na Galeria Municipal de Matosinhos foi bastante útil para fazer-nos entender que os projectos têm de ser pensados de todas as maneiras até cumprir totalmente a função pretendida, utilizando os rascunhos.

Esta exposição cumpriu os seus objetivos de servir de exemplo para futuros projetos e para o desafio-problema, e pessoalmente gostei muito de conhecer um pouco mais do estilo do pintor Jorge Pinheiro.

A mostrar 20160222_122951.jpgA mostrar 20160222_122951.jpgA mostrar 20160222_122951.jpgtemposatempos

E a imagem que escolhi foi “O Sono de Eros”, 1996-97 , porque do meu ponto de vista representa a morte do amor na mitologia grega.

20160222_122930

A Invenção do barómetro de mercúrio (1643)

Você tem ideia de como se faz para medir a pressão atmosférica? A partir desta necessidade um cientista italiano chamado Evangelista Torricelli (1608-1647) propôs um aparelho que permitia realizar a medição sem precisar fazer centenas de cálculos. Esse aparelho ficou conhecido como Barómetro de Torricelli, e consiste num equipamento capaz de medir a pressão atmosférica.

Denominamos barómetro de Torricelli o aparelho constituído por um tubo comprido (1 metro) de vidro e uma cuba, também de vidro, que tenha contida nela mercúrio. O tubo de vidro é totalmente cheio de mercúrio, sendo que a superfície aberta do tudo de vidro é bloqueada pelo dedo polegar. A seguir o tubo é invertido na cuba e o dedo é retirado. O nível do mercúrio desce até se estabilizar em uma altura h, acima da superfície do mercúrio na cuba. Na região do tubo, acima da coluna de mercúrio, tem-se a câmara barométrica, região de pressão muito baixa.

Como podemos explicar o porquê de o mercúrio estabilizar-se no interior do tudo de vidro a certa altura h? Evangelista Torricelli explicou que o ar atmosférico exerce pressão sobre toda a superfície livre do mercúrio contido na cuba, sendo essa pressão capaz de sustentar a coluna de mercúrio no interior do tubo.

Experimento utilizado por Torricelli para determinar a pressão atmosférica

Bibliografia:

Reflexão sobre o 2º desafio problema

O nosso segundo desafio problema foi “Porque existem migrantes?”;           Na minha opinião, a escolha da pergunta foi muito boa para alunos reflectirem sobre um acontecimento que é enfrentado não só pela actualidade mas também pelos séculos passados.

Ao decorrer do período, cada grupo focou-se em um subtema para explorar, explicar aos restantes grupos e elaborar um filme sobre o mesmo.

O meu grupo ficou encarregado com as diferenças (que na verdade são igualdades) entre os refugiados e os europeus, as professoras foram generosas ao cederem algumas das suas aulas a explicar-nos matérias importantes para os nossos filmes ( e conhecimentos).

Eu gostei deste desafio-problema, porque não só entendemos a situação actual mas também tivemos a oportunidade de conhecer a opinião dos portugueses quanto á chegada de refugiados na Europa.

 

O Ratificador – texto para Português

Tudo o que perguntares

ele vai afirmar,

metendo o pulgar para cima

ou a cabeça abanar.

Não pensa na resposta,

ele já sabe o que vai dizer,

é sempre sim a tudo

até quando não é para responder.

Faz ginástica com a cabeça,

está sempre a afirmar

para trás, para a frente

“Sim!” ele vai falar.

Assegura plenamente,

com toda a segurança

até mesmo quando a resposta é não,

ele têm perseverança.